Fortaleça sua situação de segurança com o Microsoft Azure!

Se a sua empresa conta com uma plataforma de serviços em nuvem, você provavelmente se preocupa também com seus recursos de segurança. Essa é uma característica estratégica essencial de organizações que buscam se destacar da concorrência!

Que a segurança em nuvem é um dos pilares estratégicos de negócios bem-sucedidos, muita gente já sabe. No entanto, nunca é demais ressaltar sua importância!

Hoje, a utilização de infraestruturas baseadas na tecnologia em nuvem é quase unânime. Porém, tecnologias novas surgem a cada dia, ampliando o leque de soluções disponíveis. No entanto, cada nova solução é também uma brecha em potencial. E isso é algo que acontece para a maioria das plataformas, o problema é que as ciberameaças estão de olho nessas brechas e sem mecanismos de proteção adequados, atualizados e competentes, seu negócio certamente irá sofrer!

Problemas simples, como a falta de configuração de seus serviços em nuvem, podem ser o suficiente para sentir esse impacto e é por isso que a escolha pela melhor plataforma é uma decisão tão importante. Os dados que circulam pela sua infraestrutura na nuvem, em geral, compõem todos os níveis de importância estratégica do seu negócio. Vazamentos, invasões e sequestros desses ativos podem, portanto, ocasionar danos irreversíveis.

Que tal entender um pouco mais sobre a relação do Microsoft Azure com a segurança em nuvem, e como esta tecnologia pode ajudar o seu negócio nos desafios do dia a dia? 

O que é o Microsoft Azure?

O Microsoft Azure é uma solução de infraestrutura completa e personalizável, permitindo sua adoção conforme a necessidade da empresa.

Esta tecnologia conta com serviço de dados integrados, soluções de análise avançada e ferramentas para desenvolvedores, tudo hospedado nos data centers da própria Microsoft, uma das maiores empresas de tecnologia do mundo. Mas pode também ser instalado no espaço físico do cliente, caso seja a necessidade do mesmo.

O Microsoft Azure é uma solução completa, pois, se encaixa em diversos cenários, desde os mais simples, que exigem apenas computação básica, rede e armazenamento, aplicativos Web e móveis até situações mais complexas, como em cenários de alto risco, com enormes ecossistemas de nuvem, que necessitam suportar soluções de IoT, por exemplo.

Como o Microsoft Azure se relaciona com a segurança em nuvem?

Com o Microsoft Azure, sua empresa possui acesso à tecnologia em nuvem na forma de blocos de construção.  Assim, é possível escalar de forma rápida sua operação, contribuindo para a inovação e economia de custos, tornando sua equipe de TI capaz de gerenciar os sistemas de forma aprofundada e proativa, proporcionando ao seu negócio um alto nível de segurança em nuvem.

Mas como, na prática, o Microsoft Azure garante a segurança em nuvem nas organizações?

  • Fortalecendo a postura de segurança de forma autônoma, lhe informando um status de cada um dos recursos;
  • Protegendo contra ameaças, avaliando os workloads, alertando contra ameaças e sugerindo ações de prevenção;
  • Proporcionando segurança de forma ágil, “na velocidade da nuvem”, com provisionamento automático com serviços da plataforma.

    Para orientar as empresas que desejam migrar sua infraestrutura para a tecnologia de nuvem Microsoft Azure, discutiremos algumas das melhores práticas de segurança a serem respeitadas.

    Vale ressaltar que nenhuma dessas práticas podem proteger os sistemas adequadamente se forem utilizadas de forma isolada. Em relação à segurança, você deve escolher as opções adequadas de acordo com seu ambiente e suas necessidades!

Quais são as melhores práticas para a utilização correta do Microsoft Azure?

Seguir as melhores práticas de segurança em um cenário regulatório dinâmico e uma nuvem em constante evolução é um trabalho difícil e desafiador. Além disso, quanto mais complexa for a sua infraestrutura maior será a dificuldade para manter as configurações de segurança.

Por isso, separamos abaixo algumas das melhores práticas de segurança para o Microsoft Azure de modo a ajudar na implementação de uma estratégia abrangente e sustentável de segurança.

1. Utilizar o Azure Active Directory

Com o Azure Active Directory (Azure AD) é possível realizar configurações para controlar e gerenciar identidades de acesso a fim de mitigar os riscos de acessos indevidos e atividades maliciosas na conta. 

Estas práticas para o uso do Azure AD incluem: 

  • Habilitar as configurações de política de senha, utilizando senhas complexas;
  • Habilitar o MFA para todos os usuários; 
  • Restringir as permissões de acordo com o princípio do privilégio mínimo;
  • Limitar permissões de usuários convidados.

2. Utilizar os recursos do Azure Security Center

O Azure Security Center oferece recomendações e alertas para proteger os recursos do Azure. 

Com o Security Center é possível fortalecer a postura de segurança dos data centers, proteger as cargas de trabalho contra ameaças e limitar a exposição a ataques de força bruta.

Estas práticas para o uso do Security Center incluem: 

  • Habilitar todas as recomendações do Security Center, como criptografia, firewall, atualizações, entre outros; 
  • Definir contato de segurança (e-mail e telefone) na política do Security Center para que a Microsoft entre em contato quando houver incidentes;
  • Atualizar a camada de segurança gratuita do Azure para a camada Standard, para obter opções de segurança aprimoradas. Isso tem um custo adicional, mas permite a detecção de ameaças em máquinas virtuais e bancos de dados.

3. Limitar acesso aos grupos de segurança de rede

Os grupos de segurança de rede do Azure contém regras que restringem o tráfego de rede de entrada e saída de diversas categorias de recursos do Azure. 

Com os grupos de segurança é possível limitar os acessos para mitigar riscos de exposição a ataques de força bruta, ataques DoS (negação de serviço) e outras atividades maliciosas. 

Estas práticas para o uso dos grupos de segurança incluem: 

  • Configurar regras nos grupos de segurança de rede para restringir o acesso às portas 22 do SSH e 3389 do RDP;
  • Configurar regras de firewalls para restringir o acesso aos bancos de dados SQL.

4. Habilitar armazenamento de logs 

Os logs do Azure permitem realizar uma análise detalhada das atividades realizadas em uma assinatura para fins de auditorias de segurança e conformidade.

Estas práticas para o uso de logs incluem: 

  • Habilitar o perfil de log em todas as assinaturas Azure;
  • Habilitar o flow logs para obter informações sobre o tráfego de IP que entra e sai dos grupos de segurança de rede do Azure; 
  • Configurar um período de retenção dos logs de atividades do Azure de no mínimo 90 dias. 

5. Utilizar alertas para monitoramento

Os logs de atividades ajudam a monitorar uma variedade de eventos relevantes à segurança. 

A partir dos dados obtidos com os logs é possível configurar alertas para notificar as partes envolvidas sobre comportamentos que podem ser suspeitos, como alterações nas configurações de segurança.

Os alertas que podem ser criados incluem os seguintes eventos: 

  • Criar atribuição de política;
  • Criar, atualizar ou excluir grupos de segurança de rede;
  • Criar, atualizar ou excluir regras dos grupos de segurança de rede;
  • Criar, atualizar ou excluir regras de firewall do SQL Server;
  • Criar, atualizar ou excluir solução de segurança;
  • Atualizar as políticas de segurança. 

6. Proteger o Storage Account 

O Storage Account é um ponto de acesso unificado para os tipos de armazenamento disponíveis no Azure como blobs, arquivos, filas, tabelas e discos.

Sempre que possível é necessário configurar cada Storage Account para usar criptografia dos dados no armazenamento de blobs, arquivos e transferências seguras.

Estas práticas para o uso do Storage Account incluem: 

  • Rotacionar chaves de acesso do Storage Account pelo menos a cada 90 dias;
  • Habilitar a transferência segura para que todos os dados transferidos do Storage Account sejam criptografados com o protocolo HTTPS;
  • Restringir o acesso público aos contêineres de blob.

7. Proteger as máquinas virtuais

As máquinas virtuais do Azure disponibilizam capacidade computacional escalonável para executar cargas de trabalho na nuvem. 

Para proteger as informações contidas nas máquinas virtuais é importante seguir algumas das melhores práticas abaixo: 

  • Utilizar o sistema operacional e os patches de software mais recentes e executar a proteção do endpoint;
  • Habilitar a criptografia de disco para criptografar arquivos em repouso no caso de comprometimento do armazenamento. 

E aí, o que achou deste conteúdo? Gostaria de saber como o Microsoft Azure pode inovar ainda mais o dia a dia do seu negócio? Clique no botão abaixo e fale agora com um de nossos especialistas!

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top